Seguindo o blog

Postagem em destaque

PERFUME DE MULHER - Soneto

Tu que tens os aromas e as cores Da beleza que invade meu querer Adornada em paisagens de amores Adentrando o oasis do meu ser....

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

LÁGRIMA

 É isso que sente a minh'alma
O descompasso de todos os passos
A dor de todos os povos
E a distância do céu a terra
Essa separação tão unitária
E ao mesmo tempo o mais perfeito conjunto:
Céu e Terra
Imensidão e extensão finita

Ah! quisera eu ter asas para voar
Voar sobre planaltos desnudos, cachoeira intangível,
Sobre montanhas, florestas, desertos e mares...
Fluir e Refluir e Influir
Sou um átomo no espaço
Uma porção de moléculas
Uma vida subjulgada?
Apenas mais um ser
Uma eterna escrava de mim mesma?

Que a lágrima desça!
Como se desce as larvas de um vulcão
que queime a minha face,
que morra em meus lábios,
mas que não se contenha mais, por que não suporto

Desça lágrima, desça
Com gosto de FEL, de sangue, de lágrima,
com gosto de mar,
Desça, apenas desça!

Nenhum comentário:

Postar um comentário